Uma omelete

Atenção: esta é uma dica de culinária-da-vida-real para você que nunca conseguiu virar uma omelete direitinho sem quebrar. Se você não é essa pessoa e suas omeletes são lindos e homogêneos tapetes de ovos mexidos, parabéns: você é um espírito evoluído e este post não é para você.

Mas, se sua omelete ao ser virada parece o solo do sertão de tantas rachaduras, considere o seguinte:

Em vez de virar a omelete com a ajuda de um prato, uma espátula, uma sacudidinha na frigideira ou uma reza para São Longuinho, por que não virá-la em outra frigideira?

Faz o seguinte: enquanto a sua omelete está deixando de ser uma bagunça de ovos mexidos e transformando-se em uma base sólida com uma bagunça de ovos mexidos por cima, você põe outra frigideira no fogo.

Duas importantes considerações:

– A segunda frigideira deve ter o mesmo tamanho ou ser um pouco maior do que a primeira. Se você for teimoso e quiser usar uma frigideira menor, tudo bem – apenas não me chame para limpar o fogão depois (nem muito menos provar sua omelete).

– Ambas as frigideiras devem ser antiaderentes. Se você não tiver ao menos uma frigideira antiaderente, detesto ser a pessoa a lhe dar esta notícia, mas talvez você não devesse estar fazendo uma omelete.

Voltando. Sua omelete está naquele ponto em que é uma verdadeira omelete por baixo e uma bagunça de ovos e recheio por cima. Sua outra frigideira está no fogo. Você está com medo de queimar sua omelete. O que você faz?

Em primeiro lugar, você lembra que isto é apenas uma omelete. Então você se acalma.

Em segundo lugar, você pega a maior espátula que tiver, apoia essa espátula na omelete e inclina a frigideira da omelete em direção à frigideira vazia.

Assim, você terá espalhado a bagunça de ovos e recheio na frigideira já quente.

Só então você vira a omelete da primeira frigideira por sobre a segunda. Garanto que será muito mais fácil, pois você já terá se livrado da parte desmilinguida – haverá apenas uma base durinha para virar. Recomendo pensar nela como se fosse um bife, inclusive.

Desvantagens da técnica:

– Você terá uma frigideira a mais para lavar.

– Você não irá impressionar ninguém com essa técnica. Ninguém lhe convidará para apresentar um programa de culinária na televisão nem tampouco para abrir uma cadeia de Omeleterias Gourmet.

Estas decepcionantes desvantagens, porém, hão de ser compensadas por um único e crucial ponto positivo:

Você comerá uma omelete gostosa.
Anúncios

10 comentários sobre “Uma omelete

  1. Eu nunca faço omeletes porque não sei bater claras em neve com o garfo e não tenho batedeira. Aí faço o que, por aqui (sendo aqui = lá na minha terra), chamamos fritada. Não acrescentei nada, só queria papear mesmo.

    • Papear com você: <3 <3 <3 (resolveu a burocracia?) Mas então – fritada na minha terra (minha terra = cozinha da minha avó) é o mesmo que tortilla espanhola – ou seja, envolve batatas. A sua também?

  2. Querida, eu não sou um espírito evoluído, mas minha mestra de fazer omeletes é. Alma tão evoluída a dela, que me ensinou a fazer uma omelete que não precisar virar: quando vc dobra, ela já está pronta, ambos os lados de perfeita e verdadeira omelete, nenhum deles bagunça de ovos e recheio. Quem sabe ela não escreve um textinho explicando a técnica?? E nem precisa lançar mão de uma segunda frigideira… :-)

  3. Camila, queria comentar diretamente nos posts…. mas como os comentários estão desativados – e concordo plenamente com a sua razão pra isso – vou ter que comentar aqui na Omelete mesmo. Sensacionais seus textos sobre racismo, Fernanda Lima, etc, e o ouvir sobre sexo. Um refresco no meio de uma enxurrada de clichês que se lê e se escreve por aí. Textos que fazem pensar de fato, refletir, incomodar. Parabéns!

Os comentários estão desativados.