Quebrar vidraça é vandalismo, atirar em índio não

O pacifismo e o amor à ordem por parte de certos governantes é realmente comovente. São muito pacifistas quando se trata de condenar danos infligidos a objetos, e consideram que até mesmo as críticas verbais que lhes são dirigidas primam pela violência – ou, para usar um termo que lhes é caro, pela “baderna”.

Para a Senadora Kátia Abreu, por exemplo, foram autoritárias e antidemocráticas as manifestações populares contra o Código Florestal e contra a presença da Polícia Militar na USP – tudo isso em 2011, bem antes de qualquer prenúncio de junho de 2013. (O pacifismo seletivo de nossos governantes vem de muito longe.)

O texto é revelador porque, quando a Senadora critica a depredação da Reitoria da USP, o leitor se vê obrigado a perguntar qual seria, então, uma forma pacífica e democrática de manifestação e reivindicação de direitos. Não é difícil concluir que, se os estudantes tivessem se limitado a expor verbalmente seu ponto de vista, sem quebrar coisa alguma, tal ação deveria necessariamente ser considerada pacífica.

Mas foi exatamente isso que fizeram os estudantes da UNB com relação ao Código Florestal: dirigiram-se ao Congresso e ergueram a voz contra Kátia Abreu. Não quebraram nada, mas não importa: para a Senadora, também eles foram violentos e baderneiros.

A baderna, portanto, não consiste propriamente na destruição de determinados objetos: a baderna, para certos governantes, consiste em toda e qualquer crítica à ordem vigente. 

Para certos governantes, esta é a única paz e a única ordem possível: a paz e a ordem de quem não ousa discordar deles.

***

Corta para 7 de dezembro de 2013. Um grupo de fazendeiros, apoiado por diversos deputados federais e senadores (dentre eles, Kátia Abreu), organiza um leilão em Mato Grosso do Sul e arrecada R$ 640.500,00.

Em um ano marcado pela emergência de manifestações populares reivindicando as mais diversas melhorias na administração pública, poderíamos imaginar que esse dinheiro, arrecadado por empresários com o apoio de políticos, seria destinado para investimentos em saúde, educação, saneamento básico, moradia, transporte…

Não: o leilão foi organizado para “arrecadar recursos contra ocupações indígenas”.

Em bom português, o dinheiro arrecadado será usado para comprar armas – que, por sua vez, serão usadas para atirar em índios.

A mensagem de Kátia Abreu e seus amigos é bem clara:

Quebrar vidraça – não pode, é vandalismo.

Criticar o governo sem quebrar vidraça – também não pode, é autoritarismo.

Atirar em índio – ah bom, aí pode sim.

Não é novidade que, em nosso país, certas vidas humanas valem menos do que vidraças.

O que é novo é a organização de um leilão que nem sequer disfarça seu objetivo último: atirar em índios.

***

Se você ainda não compreendeu a gravidade disso, só tenho uma sugestão a lhe fazer: substitua “índios” por outro grupo étnico – leilão para atirar em negros, leilão para atirar em brancos – e veja como soa.

About these ads

8 comentários sobre “Quebrar vidraça é vandalismo, atirar em índio não

  1. Pingback: Quebrar vidraça é vandalismo, ati...

  2. Pingback: Quebrar vidraça é vandalismo, atirar em índio não | O LADO ESCURO DA LUA

  3. A contracultura invade e ameaça o Estado de Direito… Salve-se quem puder… o cidadão está cada vez mais a mercê do vandalismo e da selvageria… Os povos autóctones não são muito bem vistos nessa onda descontrolada de violência a qual se instalou no Brasil em tempos autuais… A distância da natureza, a compreensão equivocada da vida em sociedade, tem lançado na barbárie milhares de pessoas, que passam a viver a margem da miséria, mas isso não é de forma alguma justificativa para julgar um índio selvagem ou não pela sua origem, modo vivendis…
    A que presta hoje o papel do Estado! das instituições! mundo cruel!

  4. Pingback: ‘Leilão da Resistência’ é realizado por ruralistas para financiar ações contra indígenas · Global Voices em Português

  5. Pingback: Brazilian Ruralists Hold 'Auction for Resistance' Against Indigenous Land Claims

  6. Pingback: Brazilian Ruralists Hold ‘Auction for Resistance’ Against Indigenous Land Claims · Global Voices

  7. Pingback: Brazilian Ruralists Hold ‘Auction for Resistance’ Against Indigenous Land Claims | Freedom, Justice, Equality News

  8. Pingback: Brazilian Ruralists Hold ‘Auction for Resistance’ Against Indigenous Land Claims | Declaration of Indigenous Rights

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s